Arquivos da Categoria: Jornalismo

Curso sob isolamento social

Caros e caras.

Durante esse período difícil que estamos começando a viver, precisamos tentar ao máximo reduzir o prejuízo que a pandemia de Covid-19 impõe a nós todos e todas.

Preparei alguns recursos para que o curso de Jornalismo Multimídia Especializado em Economia e Política tenha continuidade com a maior qualidade possível. Quero que saibam que estou presente nesse esforço e que temos saúde e tecnologia para esse desafio.

Estou preparando uma sala de aula no Google Classe Room com tarefas e atividades. Felizmente todos os arquivos usados nas leituras estão aqui nesse site. Alguns vídeos também e devo disponibilizar mais coisas por lá.

Pretendo fazer uma transmissão online ao vivo por semana, sempre no horário da aula da terça-feira https://meet.jit.si/. Também vou criar uma sala específica nessa plataforma para isso.

É imprescindível ainda que todos e todas se inscrevam aqui no site, que agora tem uma importância ainda maior nesse contexto. Essas medidas precisam ser seguidas, sob risco de vocês serem prejudicados. Fiquem certos que todos os professores estamos na luta para que isso não aconteça.

São dias difíceis que estão por vir. Precisamos estar atentos, juntos, calmos e usando o que podemos para enfrentar todos esses problemas e aprender com isso tudo.

Começou o ano

Guerreiros do Paço

Começou 2020. Se você chegou até aqui tem grandes chances de ser estudante de Jornalismo da disciplina Jornalismo Multimídia especializado em Economia e Política, da Universidade Católica de Pernambuco.

Esse site é importante no curso. Ele serve pra gente se comunicar, como suporte de leituras, acompanhamento do calendário de atividades, debate, acesso às experiências de semestre anterior e construção coletiva desse curso.

Navegue pelas sessões e vai verificar isso.

Espero que vocês aproveitem essa disciplina e as experiências que que podem vir de nosso encontro.

Nassif: Se fizer jornalismo, a Globo conseguirá ressuscitar a denúncia,

Reproduzo abaixo texto publicado no site de Luís Nassif, hoje, 31 de Outubro:

No impeachment de Fernando Collor, a peça chave foi o motorista Eriberto. Ele apareceu em uma reportagem da IstoÉ. Em seguida foi escondido por um jornalista em seu sítio, porque sabia-se que era personagem chave. Foi central no impeachment.

Os Organizações Globo cometeram seu segundo grande erro de cobertura, fruto do descuido com a própria força. O primeiro, foi a tentativa de derrubar Michel Temer no episódio JBS. O segundo, agora, em cima de uma cobertura descuidada. Fiaram-se no inquérito que lhes foi vazado parcialmente. E não cuidaram sequer de checar os fatos com o próprio porteiro, e demais porteiros e moradores do condomínio de Bolsonaro.

É o vício do jornalismo prato pronto, herdado da Lava Jato, que transformou a imprensa em mera publicadora de releases. Agora, é tratar de ressuscitar o morto, o jornalismo.

Tem-se um ponto central de raciocínio.

  1. Na visita de Élcio Queiroz ao condomínio, o porteiro colocou o número da casa de Bolsonaro na planilha antes de acontecer o assassinato de Marielle.
  2. Há duas explicações para o cochilo de ter confundido as casas de Bolsonaro e de Ronnie Lessa, o suposto assassino. Ou as reuniões foram programadas em conjunto. Ou havia um mesmo grupos de pessoas que visitava ambas as casas.

O caminho correto da reportagem deveria ter sido a de ouvir não apenas o porteiro, mas outros porteiros e moradores do prédio.

Aí, saberiam dos seguintes fatos, que me foram passados por fonte fidedigna, com acesso ao condomínio.

  1. O condomínio abriu mão de interfones, por ser caro e por problemas de instalação. Optou-se por telefonar ou para o celular ou para o telefone fixo de cada proprietário.
  2. No caso de Bolsonaro, as ligações são para o próprio celular de Bolsonaro. E é ele quem atende. O que significa que a versão do porteiro não era descabida. Ou seja, o fato de estar em Brasilia não o impedia de atender o telefone.
  3. Carlos Bolsonaro, o Carluxo, também recebe os recados pelo celular. Em geral, fica pouco no condomínio, pois prefere permanece em seu apartamento na zona sul. Mas porteiros ouvidos por moradores sustentam que, naquele dia, ele estava no condomínio.
  4. O porteiro do depoimento está de férias. Mas moradores do condomínio foram, por conta própria, conversar com os demais porteiros. E eles garantiram que a ligação foi feita para Bolsonaro mesmo.

O sistema eletrônico diz que a ligação foi para Ronnie Lessa. Tem que se buscar as razões para esse desencontro. O porteiro pode ter ligado para Bolsonaro, que lhe disse para ligar diretamente para Ronnie Lessa, por exemplo. O próprio Elcio Queiroz pode ter corrigido o porteiro.

Agora, uma reportagem mal feita colocou porteiro e porteiros à mercê de Sérgio Moro e Augusto Aras, que se transformaram no grande braço de Jair Bolsonaro

Há tempo de se tentar salvar a reportagem.